DEZ ENSINAMENTOS PARA EDUCAR UM FILHO!

maikon ikem | 8:55 AM | 0 comentários

A exemplo de Moisés, que sobe a montanha e recebe do Todo-Poderoso um decálogo, 
imagino um pai amoroso e responsável – ou mãe – que se dirige ao Bom Deus e Lhe suplica 
conselhos para educar bem seu filho. 
Num introito bem descontraído, o Grande Arquiteto lembra que são tantos os conflitos, 
as angústias e também as alegrias que, ao ser pai ou mãe, fecham-se as portas do 
purgatório: é paraíso ou inf... e Deus pede desculpas, pois essa palavra Ele prefere não 
pronunciar. Recorda que as maiores vicissitudes de Sua eternidade foram os 33 anos que 
Seu Filho viveu na Terra: num domingo foi ovacionado pelas ruas de Jerusalém e, na 
semana seguinte, as mesmas pessoas O condenaram à crucificação. 
Acrescenta que educar um filho é a tarefa mais nobre – porém a mais difícil – que Ele 
concedeu à espécie humana. E, em tom afável e terno, o Bom Deus declama os 10 
ensinamentos: 
1) Imporás limites.
Quando exercida com equilíbrio, a autoridade é uma manifestação de afeto e traz 
segurança para a vida adulta. São pertinentes as palavras de Marilda Lipp, doutora em 
Psicologia pela Unicamp: “O comportamento frouxo não faz com que a criança ame mais os 
pais. Ao contrário, ela os amará menos, porque começará a perceber que eles não lhe 
deram estrutura, se sentirá menos segura, menos protegida para a vida. Quando os pais 
deixam de punir convenientemente os filhos, muitas vezes, pensam que estão sendo 
liberais. Mas, a única coisa que eles estão sendo é irresponsáveis”. 
2) Transmitirás valores.
O filho precisa de um projeto de vida. Desde pequeno, é importante que desenvolva 
valores inter e intrapessoais, como ética, cidadania, respeito ao meio ambiente, amor pela 
vida, o que enseja adultos flexíveis e versáteis, que sabem trabalhar em grupo, abertos ao 
diálogo, às mudanças e às novas tecnologias. De todas as virtudes, a mais importante é a 
solidariedade: base e doutrina precípua de quase todas as religiões. 
3) Valorizarás a escola e a família.
Nós, educadores, erramos sim! E nós, pais, também! Educar é conviver com erros e 
acertos. Mas é preciso que a criança e o adolescente valorizem o ambiente escolar e 
familiar, onde desenvolverão a tolerância, a ponderação diante do erro, preparando-se para 
uma vida em que os conflitos e as falhas serão inevitáveis. Em essência, deve haver 
entendimento entre pais e educadores. O filho é como um pássaro que dá os primeiros 
voos. Família e Escola são como duas asas: se não tiverem a mesma cadência, não haverá 
boa direção para o nosso querido educando. 
4) Darás segurança do teu amor.
Importa mais a qualidade do nosso afeto que a quantidade de tempo disponível ao filho. 
É preciso nutri-lo afetivamente, pois a presença negligente é danosa para o relacionamento. 
A paternidade responsável é uma missão a que não se pode furtar. No entanto, veem-se 
filhos órfãos de pais vivos. A nossa vida profissional, apesar de suas elevadas exigências, 
pode muito bem ser ajustada a uma vida particular equilibrada. Dê um abraço no seu filho 
todos os dias. 
5) Tratarás o teu filho com respeito e cordialidade.
Se tratamos os amigos com urbanidade, por que não o nosso maior tesouro? 
Imprimamos nele um pouco de nós, pelo diálogo franco e pelo exemplo. Educamos menos 
pelos cromossomos e mais pelo “como-somos”. 
6) Gradativamente, encorajarás teu filho a enfrentar e resolver desafios.
O caminho da evolução pessoal não é plano e nem pavimentado. Ao contrário, é 
permeado de pedras e obstáculos, que são as adversidades, as frustrações, as desilusões. 
Da superação das dificuldades advêm alegrias e destarte aprimora-se a autoconfiança para 
novos embates. Há momentos em que os pais devem ser dispensáveis. Ao filho “devemos.!
Postado por: Juliano Oliveira! 

Category:

0 comentários